Sindicato da PSP pede a polícias para que não passem multas

Em forma de protesto como alternativa à greve, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) pediu que, a partir de segunda-feira (25 de fevereiro), os polícias em todo o país adotem uma postura preventiva, em vez de contra-ordenações.

Segundo a ASPP/PSP, os políticas deverão optar por uma ação preventiva e pedagógica em vez de aplicar uma multa.

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, disse à agência Lusa que este apelo aos polícias para que adotem uma postura preventiva, em vez de contraordenações, é uma alternativa à greve, já que não têm esse direito.

Se tivéssemos direito à greve, hoje estaríamos a iniciar uma greve”, sublinhou Paulo Rodrigues, frisando que esta forma de protesto é o único instrumento ao dispor dos polícias.

Este protesto deve-se ao facto de, entre diversas reivindicações, os polícias exigem o pagamento dos retroativos retirados desde 2011 dos subsídios em período de férias, tendo este corte sido já suspenso, mas continuam por pagar os retroativos, tal como foi decidido em tribunal.

Também pode interessar: