Especialista afirma “O trabalho está a matar as pessoas e ninguém se importa”

O professor da Escola de Pós-Graduação em Negócios da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, argumenta que sua tese é baseada em pesquisas realizadas durante décadas tanto em seu país como em outros lugares do planeta.

Pfeffer é autor ou coautor de 15 livros sobre teoria organizacional e recursos humanos. Em seu último livro, "Morrendo por um salário" (em tradução livre do inglês), ele argumenta que o sistema de trabalho atual adoece e mata as pessoas.

Na obra, Pfeffer conta o caso de Kenji Hamada, um homem de 42 anos que morreu por causa de um ataque de coração quando estava em seu escritório em Tóquio. Hamada trabalhava 75 horas por semana e, todos os dias, demorava cerca de duas horas para chegar ao trabalho.

Um exemplo extremo que Pfeffer cita no seu livro “A morrer por um salário” (“Dying for a paycheck” no original em Inglês), onde evidencia como o stress associado ao trabalho, dadas as condições laborais actuais, tem consequências dramáticas na vida e na saúde dos trabalhadores.

“As condições de trabalho causam doenças crónicas como diabetes ou problemas cardiovasculares”, aponta o professor na entrevista à BBC. Também destaca “as longas jornadas laborais, os despedimentos, a falta de seguros médicos” como factores de stress no trabalho, considerando que este provoca “uma enorme insegurança económica, conflitos familiares e doenças”.


Também pode interessar: