CP ainda a procurar colaboradores do 12º ano ao ensino superior

A empresa Comboios de Portugal é uma empresa portuguesa de transporte ferroviário.


A empresa Comboios de Portugal, E.P.E. é uma empresa portuguesa de transporte ferroviário. Foi criada em 11 de maio de 1860 pelo empresário espanhol José de Salamanca y Mayol com o nome de Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, para construir as linhas ferroviárias que ligassem a cidade de Lisboa ao Porto e à fronteira com Espanha em Badajoz. 

A primeira empresa nacional para a construção de caminhos de ferro foi a Companhia das Obras Públicas de Portugal, criada em 1844 pelo governo de Costa Cabral para promover o desenvolvimento dos transportes em Portugal; no entanto, esta tentativa falhou devido à instabilidade política. Após o regresso a um ambiente mais estável, renovou-se o interesse pelo caminho de ferro, pelo que em 1851 o empresário inglês Hardy Hislop apresentou uma proposta para uma linha de Lisboa a Badajoz, que foi entregue no ano seguinte à Companhia Central Peninsular dos Caminhos de Ferro de Portugal, formada por Hislop para esse fim. No entanto, em 1855 as obras foram paralisadas devido a conflitos entre a empresa e os empreiteiros, tendo a gestão das obras passado para o estado português. Em 28 de Outubro de 1856, foi inaugurado o primeiro troço, até ao Carregado, mas a companhia continuou a sofrer de graves problemas financeiros e de gestão. O empresário inglês Samuel Morton Peto, que se encontrava a dirigir as obras, foi encarregado de formar uma nova empresa, que substituísse a Companhia Peninsular, mas sem sucesso, tendo o seu contrato sido terminado em 6 de Junho de 1859.


Funções a exercer em algumas das vagas nesta área:
  • Apoiar no planeamento, organização e supervisão das atividades desenvolvidas pela Secretaria-Geral, nas respetivas valências técnica, administrativa e logística de suporte aos Órgãos Sociais da CP e na gestão das respetivas equipas alocadas;
  • Assegurar a preparação técnica das reuniões do Conselho de Administração e colaborar na instrução da informação de suporte à tomada de decisão, analisando documentos de diferentes áreas temáticas, produzidos internamente ou por entidades e organismos tutelares, supervisores ou fiscalizadores;
  • Redigir documentos e comunicações e acompanhar a divulgação adequada dos mesmos;
  • Participar na elaboração de normativos, procedimentos, manuais e outros documentos internos da Empresa e na interpretação de informação procedimental ou normativa;
  • Assegurar a interlocução sistematizada e transversal, monitorizando e promovendo a correção da informação de suporte à tomada de decisão face aos normativos legais e/ internos aplicáveis;
  • Participar na conceção, implementação e monitorização dos projetos da Secretaria-Geral, de cariz interno e/ou transversal a toda a organização;
  • Assegurar a recolha de informação institucional e respetiva documentação necessária, nomeadamente para efeitos do cumprimento das obrigações legais da CP, e preparar informação institucional;
  • Colaborar na gestão e controlo orçamental no âmbito das atividades e competências da Secretaria-Geral;
  • Colaborar na gestão das atividades transversais à Empresa sob gestão da Secretaria-Geral.


Requisitos em algumas das vagas na área:
  • Licenciatura pré-Bolonha ou Mestrado pós-Bolonha nas áreas académicas de Gestão de Empresas, Direito ou Sociologia.


Outras vagas:
  • Executar a manutenção de material circulante ferroviário; montar, instalar, controlar, ensaiar, conservar e reparar instalações, aparelhos e equipamentos elétricos e eletrónicos e, em geral, aparelhos elétricos ou com componentes eletrónicos, pretende-se candidato(a) que preencha os seguintes requisitos:
  • Formação profissional em eletrónica (nível II); conhecimentos de trabalhos de desmontagem, recuperação e montagem de componentes, de desenho técnico ou de interpretação de esquemas eletrónicos; Segurança e higiene no trabalho; Experiência profissional; Preferência a formação ao nível do 12º ano.


esde finais da década de 1980, o volume de passageiros transportados pela CP esteve numa tendência de queda contínua, fomentada pelo aumento do uso do transporte individual fruto do forte investimento nas infraestruturas rodoviárias e do aumento do poder de compra da população, mas também devido à falta de investimento no setor ferroviário e ao encerramento excessivo de linhas complementares. Com efeito, em Portugal, o número de passageiros transportados diminuiu 43% entre 1988 e 2009. Portugal foi o único país da Europa Ocidental onde o número de passageiros diminuiu nesse período, ao passo que na vizinha Espanha o número de passageiros aumentou 157%. Entre 2008 e 2013, a CP registou uma queda extremamente importante da procura devido à crise financeira que o país estava a viver. Desde 2013, a empresa recupera progressivamente com a implementação de uma política comercial agressiva, da paz laboral e da retoma económica. Em 2019 verificou-se a maior procura de sempre dos serviços da CP no século XXI. Poderá consultar todas as oportunidades no site oficial desta empresa, ou aqui.


Partilhe para ajudar quem precisa!

Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter

IMPORTANTE: Todas as informações presentes neste anúncio são verdadeiras à data da publicação do anúncio. Informamos que as mesmas podem ter sofrido alterações.